Thursday, February 19, 2009

De uma mente com lembranças

Não. Ele não é meu.
Nunca se apercebeu de meu sorriso triste
o mesmo nas tantas despedidas
que aparecia no rosto com o medo da falta de zelo

E isso só em mim
Doía ver-te ir embora sem me dar teu amanhã
fazendo todas as noites parecerem a última.

Tu também não 'via' que meu olho brilhava era de dúvida
de raiva
pelo apego incoerente
de querer quem me maltrata por dentro

Você nunca esteve por horas e horas
Nem me alimentou com promessas
O que foi nobre
não me iludo.
definho sem brilho
cansada do efêmero que é,
que foi
e não será.

E eu que já consigo gostar de mim
e tentando não me render,
vou me consumindo
na eterna incoerência hilstiana de desamar, amando
quem nunca me amou.
E (me) lembrando-te, fazedor de desgosto,
Que um dia te apago de mim.

2 comments:

izabel said...

minha pequena pati escreveu isso? tipo quando a gente dizia "eu queria ter escrito isso..." vc conseguiu. t amo.

Karine said...

Queria comentar, mas não estou conseguindo =/

There was an error in this gadget