Friday, August 18, 2006

De perto ninguém é normal

A Cíntia é uma guria que mora no mesmo apê que eu aqui no Rio Grande do Sul. Esta semana ela começou um estágio no hospital psiquiátrico da universidade. Um dos pacientes, que aliás se encantou por ela, pôs-se a examinar minuciosamente seu rosto, só que de um jeito diferente das outras vezes.
- O que foi? - Perguntou ela
- Por que você tem um brinco no nariz e não tem nas orelhas?
E ainda dizem que o louco é ele...
***
Falando nisso, há uns quatro anos, o filho de uma amiga da minha mãe que à época devia ter uns cinco, fitou curiosamente minha tatuagem nas costas e perguntou:
- O que é isso?
- Um desenho... - respondi
- E por que você não desenhou no papel?
É. As crianças e os loucos também tem razão.

Friday, August 11, 2006

Do casamento



..."Se eu tivesse casado na igreja seria a mais convencional das noivas. Só uma coisa tentaria mudar, ainda que recebesse um sonoro não: o sermão do padre. 'Promete ser fiel na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, amando-lhe e respeitando-lhe até que a morte os separe?' Bonito, mas dramático demais. Os noivos saem da igreja com uma argola de ouro no dedo e uma bola de chumbo nos pés. Seria mais alegre e romântico um discurso assim:

ELA: 'Prometo nunca sair da cama sem antes dar bom-dia, deixar você ver seu futebol na tevê sem reclamar, ter paciência para ouvir você falar dos problemas do escritório, ter arroz e feijão todo dia no cardápio, acompanhar você nas caminhadas matinais de sábado, deixá-lo em silêncio quando estiver de mau humor, dançar só para você, fazer massagens quando você estiver cansado, rir das suas piadas, apoiá-lo nas suas decisões e tirar o batom antes de ser beijada'

ELE: 'Prometo deixar você sentar na janelinha do avião, emprestar aquele blusão que você adora, não reclamar quando você ficar 40 minutos no telefone com uma amiga, provar suas receitas tailandesas, abrir um champagne todo final de tarde de domingo, assistir junto ao capítulo final da novela, ouvir seus argumentos, respeitar sua sensibilidade, não ter vergonha de chorar na sua frente, dividir vitórias e derrtoas e passar todos os natais ao seu lado'

Sim, sim, sim!!!" Eu aceito!!!!
Martha Medeiros em Trem Bala

Friday, August 04, 2006

Da definição

Sorriso: 1. ponte iluminada para o Natal; 2. telegrama assinado pela alegria; 3. tique nervoso de quem ama; 4. holofote próprio para iluminação de tocas de tristezas; 5. subproduto de noite divertida sob (ou sobre) lençóis; 6. antônimo de mágoa; 7. melhor amigo dos pirulitos de morango; 8. prévia de carnaval dentro do peito; 9. veleiro à deriva no mar da vida; 10. arrecife de pérolas; 11. cartão de visitas da gargalhada; 12. alimento preferencial da paixão; 13. muralha contra invasões bárbaras; 14. creme dental refrescante; 15. inimigo figadal do desprezo; 16. as time goes bye ; 17. um dos irmãos Marx; . (Ex.: “Vem, meu sorriso, que a vida corre depressa e é preciso descalçar os sapatos e pisar nas nuvens antes que elas amadureçam". - in Coisas de Amor Largadas na Noite, E. Almeida)

Lágrima: 1. saudade na forma líquida; 2. mistura de água do mar com alma moída; 3. secreção aquosa expelida através dos canais lacrimais quando se espreme o coração; 4. felicidade que escorre pela face; 5. estrela cadente que despenca do céu dos olhos de quem ama; 6. motivo da existência de lenços brancos; 7. resultado da fusão de sentimentos contraditórios quando submetidos a altas temperaturas; 8. nome comumente dado ao fim de um romance; 9. momento que antecede o adeus; 10. pedaço de ontem; 11. antônimo de desprezo; 12. matéria-prima das jujubas; 13. grande inspiração dos poetas; 14. fado de Amália Rodrigues; 15. na Europa, folha que cai da árvore quando chega o outono; 16. na infância, associada ao berro, alarme de fome; 17. na velhice, fome de colo; 18. névoa úmida que cobre o mundo quando chove dentro da gente. (Ex.: "Não, isso não é lágrima, não. É que a felicidade virou mar dentro de mim e a maré acabou de subir". - in Coisas de Amor Largadas na Noite, E. Almeida)

Tanta sabedoria e poesia são do dicionário lúdico brasileiro de André Gonçalves...
There was an error in this gadget